quarta-feira, 26 de abril de 2017

O cancioneiro de Ella Fitzgerald

Ella Fitzgerald

O cancioneiro de Ella Fitzgerald

A inesquecível cantora de jazz gravou os clássicos do grande repertório norte-americano

CARLOS GALILEA
25 ABR 2017 - 12:19 COT

Ella Fitzgerald em um show em Barcelona em 1966. Ela faria 100 anos.
Ella Fitzgerald em um show em Barcelona em 1966. Ela faria 100 anos.  EFE
Ella Fitzgerald tinha a mesma idade que o primeiro disco de jazz. Também estaria completando agora –dia 25 de abril— cem anos. Sua ascensão foi rápida: já em 1937 os leitores da revista Down Beat a elegeram como sua cantora favorita. Na década de cinquenta, o empresário Norman Granz a convenceu a deixá-lo conduzir a sua carreira, até então administrada por seu representante, Mo Gale, e o produtor de discos Milt Gabler. Em 1955, ela deixou a Decca, companhia fonográfica na qual passara vinte anos e com a qual gravava desde que começou como cantora da orquestra de Chick Webb com apenas 17 anos. Ela ainda não sabia, mas a chamada Primeira Dama do Swing estava prestes a se tornar a Primeira Dama da Canção.
Seus últimos discos não estavam vendendo bem e Ella se sentia frustrada. Em janeiro de 1956, levada por Granz, assinou contrato com a Verve. O primeiro projeto com o novo selo foi um LP duplo com canções de Cole Porter. Somente no primeiro mês, venderam-se 100.000 cópias. Entre fevereiro de 1956 –Elvis Presley acabara de chegar ao topo das listas de mais vendidos—e julho de 1959, Ella Fitzgerald gravou oito discos com alguns dos melhores títulos do grande cancioneiro norte-americano: aquele que floresceu desde os anos vinte até meados do século passado e no qual Bob Dylan cavava o seu caminho.
Os discos saíram entre 56 e 64, na seguinte ordem: Sings the Cole Porter SongbookSings the Rodgers & Hart SongbookSings the Duke Ellington SongbookSings the Irving Berlin SongbookSings the George and Ira Gershwin SongbookSings the Harold Arlen SongbookSings the Jerome Kern Songbook y Sings the Johnny Mercer Songbook. Atribui-se a Ira Gershwin o seguinte comentário: “Eu não sabia como eram boas as nossas canções até que ouvi Ella cantá-las”. Um último disco seria acrescentado à série em 1981, lançado pela Pablo Records e dedicado a um compositor da América do Sul: Ella abraça Jobim(Ella Fitzgerald Sings the Antonio Carlos Jobim Songbook).
Depois de sua morte, Frank Rich escreveu no The New York Times que, com seus songbooks, a cantora “realizou uma operação cultural tão extraordinária como a integração contemporânea de Elvis entre a alma branca e a afro-americana. Era uma mulher negra popularizando canções urbanas muitas vezes compostas por imigrantes judeus para um público predominantemente de brancos cristãos”.
Ella não tinha muita consciência daquilo que sua obra significou. E nunca deu margem a que o público pudesse achar que a letra de alguma das canções que interpretava se referisse à sua vida privada, a respeito da qual evitava falar. Becoming Ella: The Jazz Genius Who Transformed American Songbiografia que está sendo escrita pela professora Judith Tick e que deverá ser lançada em 2018, dará uma atenção especial para todo o contexto cultural em que viveu a cantora. A mulher que cantava com a espontaneidade inocente e alegre de quem provavelmente jamais deixou de ser uma criança. A mesma que dizia que gostaria de ter sido bonita e que afirmava que a única coisa melhor do que cantar é cantar ainda mais.


domingo, 23 de abril de 2017

Hollywood / Antídoto contra a idade: o dinheiro

Morgan Freeman

Antídoto contra a idade: o dinheiro

Hollywood aposta em Shirley MacLaine, Warren Beatty, Rachel Welch, Goldie Hawn, Glenda Jackson e De Niro


ROCÍO AYUSO
Los Ángeles 21 ABR 2017 - 17:00 COT


Nem botox, nem cirurgia plástica. Segundo confirmou Morgan Freeman a este jornal, o único antídoto contra a idade que Hollywood conhece é o dinheiro. “Nem sexismo, nem racismo nem velhismo. Eu não vejo discriminação na indústria de Hollywood porque há anos a única coisa que manda é o dinheiro”, afirma o ator, perto de completar 80 anos. Tomando sua carreira como exemplo, está claro que Hollywood é um país para velhos. Nos últimos dois anos Freeman trabalhou em uma dúzia de filmes e produções de televisão. Em sua última estreia, Despedida em Grande Estilo, não é o único veterano. O filme soma 246 anos entre seus três protagonistas, contando os 84 de Michael Caine e os 83 de Alan Arkin. Ou 321, se também se soma os 75 de Ann Margaret, mais uma integrante do elenco dessa comédia centrada em um grupo de aposentados que decide roubar um banco para recuperar as pensões que perderam na atual crise econômica. Entre os quatro também estão quatro prêmios Oscar e 13 indicações à mesma estatueta, exemplo do quanto valem suas carreiras.

Mas o valor é relativo, porque ao longo dos anos são muitos os exemplos de gerontofobia em uma indústria apaixonada pela carne jovem. A série FEUD, centrada nas carreiras de Bette Davis e Joan Crawford, deixa claro que o problema vem de anos. A obra de Ryan Murphy mostra as dificuldades que essas grandes estrelas tiveram na década de 1960 depois que atravessaram a barreira dos 50 anos, como se fosse um problema atual. “Hollywood mudou pouco em matéria de discriminação”, disse o autor.
Mas a situação está mudando. Robert de Niro, de 73 anos, está mais ativo do que nunca. Glenda Jackson voltou ao teatro aos 80 anos como protagonista de Rei Lear. Entre as grandes estreias nos Estados Unidos está a comédia de ação Snatched, que promove o retorno de Goldie Hawn aos 71 anos e depois de 15 anos afastada de Hollywood. Há ainda atualmente nas telas as veteranas Shirley MacLaine (82), Warren Beatty (80) e Rachel Welch (76), que trabalha em Como se Tornar um Conquistador. "Me faço de surda para quem me chama de último símbolo sexual. Por acaso Charlize Theron não é um símbolo sexual? Houve um momento em que Brad Pitt também era. E Angelina é uma mulher belíssima e muito sexy. Tudo depende dos olhos com que se vê”, disse Welch a este jornal.




A atriz, Glenda Jackson.
A atriz, Glenda Jackson. GETTY


Caine atribui o ressurgimento dos mais veteranos ao sucesso de filmes como O Exótico Hotel Marigold (2012), com um elenco em que Judi Dench e Maggie Smith marcavam a média de idade. “São muitos os espectadores da nossa idade que se sentem subestimados e que se identificam com a gente. A vida não para quando se chega a uma certa idade”, disse Ann Margaret. O gênero já conta com seu próprio nome: comédias de geriatria, um termo que faz seus protagonistas rirem. O que todos esses veteranos, dispostos a morrer sem pendurar as chuteiras, gostariam é de não só continuarem trabalhando, mas contar histórias que não falem unicamente da idade. “Eu simplesmente me vejo como um ator que consegue sobreviver como ator”, acrescenta, sem dar importância à idade.
Outra coisa é como são vistos por seus companheiros de viagem. Apesar de a média de idade dos membros da Academia estar acima dos 60 anos, e alguns dos grandes diretores, como Clint Eastwood, Woody Allen e Roman Polanski já terem passado dos 80, os filmes protagonizados por esses veteranos poucas vezes são reconhecidos nos prêmios. Como apontou um estudo da Universidade do Sul da Califórnia, apenas 11,8 por cento dos candidatos ao Oscar têm mais de 60 anos.


terça-feira, 18 de abril de 2017

‘Guernica’, de Picasso: assim foi feito o quadro mais famoso do século XX




‘Guernica’, de Picasso: assim foi feito o quadro mais famoso do século XX

Conheça a exposição que mergulha na mente do pintor que há 80 anos plasmou o horror da guerra


IKER SEISDEDOS
Madri 3 ABR 2017 - 19:39 CEST
A obra Guernica, de Pablo Picasso, começou a ser concebida bem antes de ser encomendada, já que, quando pequeno, o artista escapulia para baixo da mesa de jantar para admirar as “pernas monstruosamente inchadas que surgiam das saias de uma das suas tias”. Essa precoce fascinação pela deformidade subjaz no extraordinário feitiço da grande tela, intacto 80 anos depois de o artista pintá-la a pedido do Governo da República Espanhola para o pavilhão do país na Exposição Internacional de Paris de 1937. A teoria que liga os pontos entre o horror infantil e a eficaz monstruosidade do gigantesco mural-ícone é de T. J. Clark, curador, junto com sua esposa, Anne M. Wagner, de uma exposição que foi apresentada na manhã desta segunda-feira à imprensa no Museu Reina Sofía, em Madri, por ocasião do aniversário redondo da obra.

sábado, 15 de abril de 2017

Cesaria Evora / Jardim Prometido

https://www.youtube.com/watch?v=6HQH750XOXw

Cesaria Evora 
Jardim Prometido

Ess verde di bô nome ja nos espera'l tcheu
Num jardim florido, rebera ta corré
Vale de Paúl é prova de fertilidade
Quande nuvem fecunda ta derrá-me sê amor
Agua ta caí esperança ta brotá

Naquês tempo d'otrora quande mundo era mundo
Maça di ouro bô tchom tava dá
Tchuva zanga e quel era de bonança
Hoje transformá num historia sabe d'uvi
Ma nôs vontade e esperança é maior

Quel jardim na nôs sonho ca morrê
Força de perseverança ainda ta cultiva'l
Cabo Verde é verde na nôs coraçon
Nôs terra ta vertejá d´nôs mon cheio d'amor

Sempre nô espera pèss dia grande
Onde cada fidjo ta tem sê parte d'virdim
Nô crê vivê num terra d'amizade
Ta desenvolvê na meio d'felicidade
Num jardim prometido ta flori cheio di paz



domingo, 9 de abril de 2017

Como viajar com o seu cachorro


Como viajar com o seu cachorro

Ganha terreno a tendência de que os cães comportados são bem-vindos


RITA ABUNDANCIA
EL PAÍS
São Paulo 15 JUL 2015 - 17:19 CEST


Num hipotético desenho do humorista norte-americano Gary Larson, que gosta de pintar os animais comportando-se como humanos e vice-versa, alguns cães reunidos num elegante coquetel podem saber onde passarão as férias deste ano e se levarão os seus donos com eles, já que muitos hotéis começam a impedir a entrada de humanos pelos vários problemas que acarretam: intoxicação etílica e tendência de pular na piscina da janela do quarto. Fora do universo de Larson, são os donos desejosos de passar as férias junto aos seus melhores amigos que se propõem aonde ir, como e quando. Porque viajar com animais costuma ser uma corrida de obstáculos em que é preciso contar com mais dinheiro, paciência e capacidade de abrir mão de muitos destinos, eventos e atrações para ter a companhia de nosso amigo fiel.

sábado, 25 de março de 2017

Por que os cachorros se parecem com seus donos? Ou vice-versa?


Por que os cachorros se parecem com seus donos? Ou vice-versa?

Indivíduo feliz, bicho de estimação feliz. Indivíduo desajeitado, animal desajeitado


CAROLINA PINEDO
19 ABR 2015 - 00:12 CEST



Cholo anda com sua dona pela rua: devagar e tranquilo. Ao contrário do que ocorre com Ana e seu cocker de três anos, que é nervoso e tende a brigar com os outros cães que encontra durante o passeio pelo parque. As pessoas que convivem com cachorros costumam relatar que seus companheiros de quatro patas se parecem com eles em seu comportamento e caráter: dorminhocos, sedentários, ativos, tímidos ou gulosos.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Desvendado o mecanismo do amor entre os cachorros e seus donos



Desvendado o mecanismo do amor entre os cachorros e seus donos

O olho no olho entre donos e mascotes faz disparar a produção do hormônio do afeto



MANUEL ANSEDE
17 ABR 2015 - 01:33 CEST




"O amor pelo cachorro é voluntário, ninguém o impõe [...]. E o principal: nenhuma pessoa pode outorgar a outra o dom do idílio. Isso só o animal sabe fazer [...]. O amor entre um homem e um cachorro é um idílio. Nele não há conflitos, não há cenas angustiantes, não há evolução”, escreveu Milan Kundera em A Insustentável Leveza do Ser. No romance, a protagonista, Teresa, chega a pensar que o amor que sente por sua cachorra Karenin é muito melhor do que o que sente pelo marido.

terça-feira, 21 de março de 2017

Os cães entendem o que dizemos e como dizemos



Os cães entendem o que dizemos e como dizemos

Novo estudo sugere que aprendizagem do vocabulário não é exclusividade humana



Os cães compreendem tanto as palavras como a entonación. EL PAÍS VÍDEO


Os cachorros possuem a capacidade de diferenciar as palavras, assim como a nossa entonação, quando nos dirigimos a eles. É o que sugere um novo estudo publicado na revista Science. Além disso, utilizam áreas do cérebro semelhantes às utilizadas por nós, o que leva os pesquisadores à conclusão de que a capacidade de aprendizagem de vocabulário não é uma exclusividade humana. Para realizar o estudo, os cientistas colocaram treze cães de diferentes raças em um aparelho de ressonância magnética funcional para estudar as suas reações à linguagem. Os resultados revelaram que os cachorros reconheceram todas as palavras de forma diferente umas das outras, independentemente da entonação, e o fizeram utilizando o lado esquerdo do cérebro, como fazem os seres humanos.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Como falar com seu cão, segundo a ciência




Como falar com seu cão, segundo a ciência

As pesquisas realizadas nas duas últimas décadas demonstram que esses animais são capazes de entender a comunicação humana como nenhuma outra espécie



THE CONVERSATION
JULIANE KAMINSKI
18 JAN 2017 - 06:55 COT
Os cães são especiais. Qualquer pessoa que tem um como animal de companhiasabe disso. Além disso, a maioria dos donos tem a sensação de que seu cachorro entende tudo o que eles dizem e qualquer gesto que fazem. As pesquisas realizadas nas últimas duas décadas demonstram que os cães são capazes de entender a comunicação humana como nenhuma outra espécie. E agora um novo estudo confirma que, se alguém quer adestrar um filhote e ter o máximo de possibilidade para que o animal faça o que se pede dele, é preciso falar com ele de uma determinada maneira.

sábado, 11 de março de 2017

Quanto mais grupos de WhatsApp, mais chances de divórcio



Quanto mais grupos de WhatsApp, mais chances de divórcio

Fenômeno ‘phubbing’ provoca cada vez mais discussões entre casais. Mas é possível evitá-las


A cena com certeza vai lhe soar familiar. Pode ser inclusive que já a tenha vivido em primeira pessoa. Um casal divide uma mesa em um restaurante ou está sentado lado a lado no sofá de casa. Uma das partes quer conversar, tenta manter o contato visual... mas do outro lado se produz o silêncio, poucas palavras, o olhar para baixo... O motivo? Seu interlocutor está –para desespero e raiva do acompanhante– vidrado na tela do celular.
Estamos diante de um claro caso de phubbing (acrônimo de phone snubbing, que significa ignorar com o celular). Trata-se de um fenômeno que tem aumentando e que descreve com perfeição um dos grandes males dos nossos dias: quando alguém que está ao nosso lado nos ignora porque está prestando mais atenção ao que acontece em uma tela de celular.
A questão não é fútil. Um estudo conduzido pelo professor James A. Roberts, da Universidade Baylor, nos EUA, descobriu que 46,3% dos 453 adultos entrevistados tinham sofrido phubbing por parte de seu parceiro; e 22,6% declararam que essa prática era fonte de conflito.
Há dois motivos fundamentais, concluiu o especialista, para que o phubbing tenha impacto negativo nas relações de casais. Primeiro, porque o tempo que passamos conectados a nossos dispositivos não estamos empregando para fazer algo significativo que de verdade nos una como casal. E, segundo, porque o mal-estar que gera esse hábito leva, irremediavelmente, a discussões e a uma deterioração da relação. Além disso, as pessoas que disseram ter sido ignoradas por causa do celular por parte de seu cônjuge eram mais propensas a se sentirem deprimidas (na verdade, 36,6% tinham experimentado esse sentimento pelo menos em um ocasião).

Casais em terapia com o celular debaixo do braço

“Na realidade o problema acontece quando existe uma descoordenação no casal e uma das partes sente falta de atenção. Existem outros casos nos quais ambos utilizam muito o celular em companhia do outro, ou que só se comunicam pelo WhatsApp, mas não sentem culpa alguma porque estão em igualdade. Existe um consenso”, explica o psicólogo Enrique García Huete, diretor da Quality Psicólogos e professor da Universidade Cisneros (Madri).
García, que tratou em sua clínica de pessoas que desenvolveram um vício de celular, destaca que o phubbing é um problema cada vez mais recorrente quando um casal com problemas busca terapia. “Reclamam bastante que o outro está sempre agarrado no telefone e não presta atenção no cônjuge. Curiosamente, costumam ser mais os homens que fazem isso, mas não poderia dizer que é um problema em si para se recorrer à terapia. É mais um fator que influencia, mas não é o único".
O escritor e doutor em Filosofia Enric Puig Punye, que acaba de abordar esse assunto em seu livro O Grande Vício. Como Sobreviver Sem Internet e Não se Isolar do Mundo?, aponta outro fator que contribui para gerar mal-entendidos: o fato de que a conexão ao mundo virtual se faz quase sempre a partir de dispositivos individuais e não é uma experiência compartilhada. “Queira ou não, nos concentrarmos cada um em nossos smartphones ou tablets produz uma sensação de secretismo que não ajuda. Ao contrário, desperta suspeitas”, afirma Puig. “Essa separação não seria tão drástica se, por exemplo, todos os membros da família utilizassem apenas um computador comum”.
Por sua parte, o doutor García Huete recorda que "quando nos comunicamos, é tão importante o verbal como o gestual". "Se não nos sentimos atendidos, a sensação de frustração pode ser muito forte. Ao nos centrarmos no virtual, vai se extinguindo uma marca da comunicação muito importante, que só se produz pessoalmente, cara a cara". Em caso de discrepância de opiniões no casal por causa desse assunto, o psicólogo recomenda “acertar em consenso os momentos de uso”. A negociação é muito importante. “Esse processo não servirá de nada se não tivermos consciência de que existe um problema e se não existir uma vontade real de mudança”, afirma García, “porque essas duas coisas nem sempre estão unidas”.

Como desconectar em um mundo hiperconectado (e não morrer na tentativa)

Quando Enric Puig Punyet se propôs a abordar em um livro a forma como a hiperconectividade está afetando as nossas relações, não quis fazê-lo através do depoimento de neo-rurais: pessoas que optaram por se retirar ao campo fugindo do barulho e da agitação do mundo nas cidades. Em vez disso, se propôs a entrevistar pessoas que, sendo nativos digitais, se desconectaram sem renunciar a seu trabalho ou a sua vida social na cidade. E as encontrou: desde um vendedor desempregado que acabou fechando seu perfil no LinkedIn a uma jovem que organiza festas nas quais não se pode tirar nem publicar fotos nas redes sociais.
Nenhuma dessas pessoas tomou a decisão de se desconectar por motivos culturais, mas suas razões tinham relação com preservar a saúde mental e a qualidade de vida. “As pessoas com as quais falei concordam que em determinado momento tiveram uma espécie de revelação”, afirma. E o mais interessante é que ao sair desse turbilhão “se reconectaram com o mundo real, com ações e sensações que estavam esquecidas”.
Puig Punyet, que há anos pesquisa as mudanças provocadas pelas novas tecnologias na estrutura social, relembra que o novo modelo de negócio impulsionado pelo Google e pelos smartphones nos obriga a uma hiperconexão que acaba cobrando seu preço. “Na maioria dos casos representa uma perda de tempo e concentração tremenda. Esse dogma da multitarefa que nos vendem –e acreditamos– é algo que não existe. E então se está na grande dependência que se gera pela ansiedade de ter que estar sempre disponível”.
O psicólogo García Huete explica que no momento em que houver uma dependência do celular ou do tablet “temos que tratá-la como se estivéssemos enfrentando uma substância viciante, porque produz a mesma sensação gratificante a curto prazo e inquietação, ansiedade e síndrome de abstinência quando nos falta”. Entre as pautas básicas para se evitar o vício com as telas estão “reforçar nossos mecanismos de controle das emoções, planejar horários limitados e, se o problema se deriva do trabalho, utilizar dois celulares: um exclusivo para o âmbito de trabalho e outro para socializar”.
Por sua experiência, Puig Punyet acredita que a desconexão parcial será uma tendência em alta e que chegará das mãos dos jovens: “As novas gerações estão se dando conta do excesso e estão renunciando a estar hiperconectadas. Por conta de ter escrito o livro me chegaram muitos mais casos”, diz. “Há adolescentes que vão comer na rua com os amigos e estão deixando o celular em casa”.
É quase inevitável que em algum momento pontual todos nós utilizemos o celular em frente a um terceiro. Mas se o problema passa a ficar sério e nada do que foi dito antes funcionar, é possível formalizar um contrato proposto na internet, chamado Stop Phubbing. Cada um pode adaptá-lo a quem desejar: amigos, família ou cônjuge.