domingo, 1 de março de 2015

Vargas Llosa / A felicidade, rá, rá, rá



Mario Vargas Llosa

A felicidade, rá, rá, rá

Na Dinamarca, um dos países mais civilizados do mundo, a segurança agora é precária, e ninguém está a salvo de ser assassinado pela onda de fanatismo que se espalha pelo mundo


FERNANDO VICENTE
Li em algum lugar que uma enquete feita no mundo inteiro tinha estabelecido que a Dinamarca era o país mais feliz da Terra e me dispunha a escrever, tomando emprestado o título de um livro de contos de meu amigo Alfredo Bryce que caía como uma luva para o que queria — zombar daquela enquete —, quando ocorreu em Copenhague o duplo atentado jihadista que custou a vida de dois dinamarqueses — um cineasta e o guardião judeu de uma sinagoga — e feriu gravemente três agentes.
Que melhor demonstração de que não há nem houve nem nunca haverá "países felizes"? A felicidade não é coletiva, mas individual e privada — o que faz feliz uma pessoa pode fazer infelizes muitas outras, e vice-versa — e a história recente está infestada de exemplos que demonstram que todas as tentativas de criar sociedades felizes — trazendo o paraíso à Terra — criaram verdadeiros infernos. Os Governos devem estabelecer como objetivo assegurar a liberdade e a justiça, a educação e a saúde, criar igualdade de oportunidades, mobilidade social, reduzir ao mínimo a corrupção, mas não se imiscuir em temas como a felicidade, a vocação, o amor, a salvação e as crenças, que pertencem à esfera privada e nos quais se manifesta a feliz diversidade humana. Esta deve ser respeitada, porque toda tentativa de regulamentá-la sempre foi fonte de infortúnio e frustração.
A Dinamarca é um dos países mais civilizados do mundo pelo funcionamento exemplar de sua democracia — basta ver a magnífica série de TV Borgen para ter a comprovação —, por sua prosperidade, por sua cultura, porque a distância que separa os que têm muito dos que têm pouco não é vertiginosa como, digamos, na Espanha e no Peru, e porque, até agora pelo menos, sua política em relação aos imigrantes, esforçando-se para integrá-los e ao mesmo tempo respeitar seus costumes e crenças, é uma das mais avançadas, embora, infelizmente, tão pouco bem-sucedida quanto as de outros países europeus. Mas a felicidade ou infelicidade dos dinamarqueses está fora do alcance das medições superficiais e genéricas das estatísticas; seria preciso cavoucar cada lugar desse belo país, e provavelmente o resultado dessa exploração impertinente da intimidade dinamarquesa seria que a dose de felicidade, satisfação, frustração e desespero nessa sociedade varia tanto e tem matizes tão diferentes que toda generalização a seu respeito é arbitrária e falaciosa. Por outro lado, basta ver as manifestações de dor, perplexidade, angústia e confusão em que o povo dinamarquês mergulhou depois do último atentado terrorista para perceber que, como em todos os países da Terra, dos mais ricos aos mais pobres, dos mais livres aos mais tiranizados, também na Dinamarca a segurança agora é precária, e ninguém lá está a salvo de ser assassinado — ou decapitado — pela onda de fanatismo que continua se espalhando pelo mundo, como as pestes que na Idade Média pareciam cair sobre os homens como castigos divinos.

O cartunista Lars Vilks não queria ofender a crença de ninguém, e sim exercer uma liberdade
O terrorista Omar Abdel Hamid El Hussein, um jovem de 22 anos,de origem palestina, mas nascido e educado na Dinamarca, não era, segundo o testemunho de professores e colegas, um pária semianalfabeto cheio de rancor em relação à sociedade da qual se sentia excluído, e sim — algo que não é pouco frequente entre os últimos jihadistas europeus — inteligente, estudioso, cordial e "com vontade de ajudar os demais", segundo define um de seus conhecidos. Mas fez parte de gangues e esteve na prisão por assaltos e violência. Em algum momento essa "boa pessoa" se tornou um delinquente e um fanático. Antes de cometer seus crimes baixou vídeos de propaganda do Estado Islâmico — provavelmente nos mesmos dias em que esse Estado decapitava na Líbia 21 cristãos coptas somente pelo crime de não serem muçulmanos e filmava semelhante façanha com perversa riqueza de detalhes — e disparava ferozes arengas antissemitas. Tudo indica que sem o valente Dan Uzan, que impediu sua entrada, oferendando deste modo sua vida, o terrorista teria perpetrado uma matança descomunal na sinagoga, onde se realizava um bar mitzvah.
Seu objetivo primário, quando atacou o centro cultural onde foi impedido pelos três guardas que ficaram gravemente feridos, era Lars Vilks, o cartunista e caricaturista sueco — a Suécia é, como a Dinamarca, outro dos países mais civilizados, democráticos e prósperos do mundo —, a quem os fanáticos islâmicos perseguem com sanha desde que, em 2007, fez uma exposição de seus trabalhos nos quais Maomé aparecia com o corpo de um cachorro. Homem calmo, nada provocador, Lars Vilks explicou que fez aquilo não com a intenção de ofender a crença religiosa de ninguém, mas para exercer uma liberdade que considera a irreverência e o humor cáustico direitos irrenunciáveis. Pagou caro; já foi vítima de dois atentados, queimaram sua casa, precisa andar protegido por uma escolta do Governo sueco 24 horas por dia, e a Al Qaeda oferece um prêmio de 100.000 dólares para quem o matar (e 50.000 para quem "degolar" Ulf Johansson, o editor que publicou suas caricaturas).
O caso de Lars Vilks é interessante porque mostra as ambições ecumênicas do fanatismo islâmico: não busca apenas restaurar o fundamentalismo primitivo de sua religião entre os crentes, mas também intervir nos espaços onde o islã não existe ou é minoritário, para submetê-los às mesmas proibições e tabus obscurantistas. O Ocidente democrático e liberal, que deixou de considerar a mulher um ser inferior e um objeto nas mãos do homem, que separou a religião do Estado, que respeita a crítica e a divergência e pratica a tolerância e a coexistência na diversidade, é seu inimigo e um objetivo cada vez mais frequente de suas operações sanguinárias.

Os europeus enfrentam o desafio do terror e lutam para salvar a humanidade da barbárie
É óbvio que essa ameaça não vai ter êxito nem destruir o Ocidente. O perigo é que, por prudência ou até por convicção, alguns Governos ocidentais comecem a fazer concessões, autoimpondo-se limitações no campo da liberdade de expressão e de crítica, com o argumento multiculturalista de que os costumes e as crenças do outro devem ser respeitados (ainda que à custa de ter que renunciar aos próprios?). Se este critério prevalecer, os fanáticos islâmicos terão vencido o jogo, e a cultura da liberdade terá entrado num processo que poderá culminar em seu desaparecimento. Por esse caminho, todas as grandes conquistas da democracia, desde o pluralismo político e a igualdade entre homens e mulheres até o direito de crítica, que inclui obviamente o da irreverência, terão selado sua sentença de morte. Já em alguns lugares da Europa se admite o uso do véu islâmico, símbolo flagrante da humilhação e discriminação de que é vítima a mulher em alguns países muçulmanos, e a existência de piscinas públicas separadas por sexo, com argumentos que poderiam chegar à loucura de tolerar os casamentos acertados pelos pais e até a castração ritual das adolescentes para garantir sua virtude. Qualquer concessão nesse campo não se presta a aplacar a sede dos fanáticos; pelo contrário, os encoraja e convence de que o inimigo está recuando, que tem medo e já se sabe derrotado.
A primeira-ministra dinamarquesa, Helle Thorning-Schmidt, na homenagem que prestou a seus compatriotas assassinados pelo jihadista dinamarquês, lembrou que as maiores vítimas do fanatismo islâmico são os próprios muçulmanos, que os fanáticos assassinam e torturam aos milhares no Oriente Médio e na África. É preciso ter isso em mente e saber, portanto, que os europeus como o cartunista Lars Vilks, que enfrentam com coragem o desafio do terror, lutam para salvar da barbárie não apenas a Europa e o Ocidente, mas a humanidade inteira.



Nenhum comentário:

Postar um comentário